Notícias | - 2:16 pm


Telas causam problemas em longo prazo às crianças3 min read

Consumo tem aumentado. E problemas também.

Telas causam problemas em longo prazo às crianças3 min read

Crianças que têm mais de uma hora diária de acesso a telas desenvolvem problemas de comportamento e emocionais. A conclusão foi obtida por um estudo que monitorou 699 crianças durante cinco anos.

A pesquisa foi conduzida pela cientista social Janette Niiranen, do Instituto Finlandês de Saúde e Bem-estar em Helsinque (Finlândia). De acordo com os resultados, entre 2013 e 2017 aumentou mais de 300% o tempo que crianças com até cinco anos de idade passam utilizando televisores, computadores, smartphones e tablets.

“Nossos resultados mostram que crianças de 5 anos passam muito mais tempo na mídia eletrônica do que o recomendado pelos profissionais”, revela Niiranen. “Embora os padrões de uso de mídia eletrônica por crianças possam não parecer problemáticos quando se considera o uso diário, eles apresentam riscos a longo prazo”.

Niiranen aponta que, aos 18 meses de idade, crianças passam, em média, 32 minutos por dia assistindo à televisão. Aos cinco anos de idade, porém, essa quantidade aumenta para 114 minutos.

O cientista relata ainda que 25% das crianças de um ano e meio de idade passam mais de uma hora
por dia em frente às telas. Mas, aos cinco anos, mais de 95% das crianças fazem o mesmo.

A soma desse tempo todo gasto em telas, desde os primeiros meses de vida até a idade escolar, eleva o risco de hiperatividade. Ademais, aumenta o risco de dificuldades de atenção e concentração, impulsividade e outros problemas emocionais e comportamentais.

Esses dispositivos estão reduzindo o tempo que as crianças passam lendo, brincando e interagindo
com a família e outras crianças. Assim, têm dificuldade não apenas no comportamento, como no aprendizado e até mesmo na conexão com outras crianças.

RESPONSABILIDADES DOS PAIS 

A Organização Mundial da Saúde (OMS) orienta aos pais que crianças não devem usar telas até terem, pelo menos, dois anos de idade. Mas, não é isso o que acontece.

Pais deixam as crianças se distraírem assistindo vídeos, jogando ou mesmo navegando na internet, independentemente da idade.

“Hoje em dia é fácil demais para uma criança ou jovem acessar a Internet. Fico pasmo, às vezes, com a maneira como alguns pais deixam seus filhos totalmente livres com telefones, iPods, computadores etc. sem supervisão”, relata o Bispo Renato Cardoso.

De acordo com ele, é responsabilidade dos pais não apenas supervisionarem o conteúdo acessado na internet, mas também limitar o tempo a que eles têm acesso a telas. Isso porque os pais são os responsáveis por cuidarem da saúde e do desenvolvimento de seus filhos.

“Nós somos responsáveis por proteger os nossos filhos do mal deste mundo”, explica o Bispo. “Não podemos fazer isso 100% do tempo, pois é impossível. Mas, o possível, temos que fazer.

Eu já tive que tirar o celular do meu filho adolescente por uso indevido. Uma das maiores responsabilidades dos pais é impor limites, pois crianças e adolescentes não têm nenhum senso disso”.

Por isso, pais devem estar atentos ao tempo que seus filhos gastam em frente às telas. Talvez não seja fácil mudar o comportamento já adquirido, mas é importante. Isso porque excesso de tela pode fazer com que crianças apresentem até mesmo sinais de autismo.

Telas causam problemas em longo prazo às crianças

Encontre uma Universal mais perto de você. 


Igreja Universal
  • Redação  


reportar erro