Notícias | - 9:36 am


“Ao invés de me voltar para Deus, comecei a frequentar a vida noturna.”2 min read

“Ao invés de me voltar para Deus, comecei a frequentar a vida noturna.”

Jesziree Cardoso Lima após um término de relacionamento, ela começou a ficar muito triste e abalada, onde ela tentou preencher essa tristeza na vida noturna. Mas tudo isso mudou quando ela conheceu a Jesus.

Eu sempre fui uma pessoa de muita fé, cheguei na igreja ainda na infância, levada pelos meus pais que eram obreiros. Na minha adolescência, estudava à noite e trabalhava durante dia e ia na igreja apenas aos domingos. O meu esfriamento espiritual começou nessa fase, porém para mim estava tudo certo.

Devido a esse esfriamento, entrei em um relacionamento com um rapaz que não tinha a mesma fé, mesmo sendo correto e honesto, ele não era o que Deus tinha para mim.

Algum tempo passou, o relacionamento acabou. Passei a ser uma pessoa triste, vivia chorando pelos cantos e tinha muita mágoa. A partir de então começaram os problemas dentro de casa, comecei a me desentender com meu pai, brigávamos muito.

Comecei a ter perturbação noturna, acordava sentindo como se alguém estivesse ao meu lado, chegava a sentir uma respiração no rosto. Eu sabia que era algo espiritual e que precisava voltar para Deus, mas não tinha forças.

As minhas amizades começaram a me induzir para curtir a vida e conhecer pessoas novas. Ao invés de me voltar para Deus, comecei a frequentar a vida noturna.

Até que um dia, olhei ao meu redor e vi as pessoas bebendo e fumando e tive consciência que se eu morresse naquele momento a minha alma iria para o inferno.

Nesse momento, disse para mim mesma, que não queria mais aquela vida. Comecei a me voltar para Deus. Aos poucos, fui me lançando, comecei a frequentar a reunião da Terapia do Amor, depois a reunião de domingo, de quarta-feira e de sexta-feira, pela libertação. Aos poucos fui me libertando de tudo que me afastava de Deus.

Quando cheguei nos Estados Unidos tive, verdadeiramente, o meu encontro com Deus, vivi algo que eu nunca havia vivido antes, consegui perdoar o meu pai e as pessoas que me fizeram mal.

Depois do meu encontro com Deus e de todas essas fases de libertação, eu fui batizada com o Espírito Santo. Hoje sou uma pessoa feliz, sem mágoas, durmo perfeitamente e tenho paz com a minha família, mesmo estando longe, eu não me sinto sozinha. Muito pelo contrário, me sinto completa. Se eu morresse hoje, teria a perfeita convicção da minha salvação.

Jesziree Cardoso Lima 

Everett, MA 


Igreja Universal
  • Redação  


reportar erro